sexta-feira, 17 de julho de 2009

Você pode cria-las sem problemas








Você pode cria-las sem problemas em sua casa. Essas abelhas não possuem ferrão, logo não picam, nem são agressivas. Você poderá observa-las pelo vidro tampa superior e ficará encantado com esses maravilhosos animais, sem falar do delicioso mel que terá para consumo.

Toda escola deveria possuir algumas colmeias que se prestariam ao estudo de seus alunos, através de aulas práticas de ecologia e biologia das abelhas sociais, sabemos que dependemos delas para obtermos boas safras agrícolas, o que somente é alcançada com a polinização feita pelas abelhas.

Adquira uma colmeia no Meliponário Mato Grande - RN e você receberá um manual e terá o endereço eletrônico para tirar dúvidas com um especialista, caso necessite de uma orientação mais detalhada, .

As despesas de manutenção da colmeia são mínimas ao contrário do que ocorre com outros animais de estimação, e você poderá viajar por quanto tempo quiser sem problemas, pois as abelhas sempre fazem reservar para os momentos difíceis, além de que o alimento delas esta nas flores em um raio de 1000 metros de distância da colmeia.

http://redeparede.com.br/natal/a-venda/animais-de-estimacao/posts/abelhas-indigenas-urucu-nordestina-melipona-scutellaris-25-355208

domingo, 12 de julho de 2009

A florada do momento

Meus amigos, hoje revisei um enxame de Uruçus (Melipona
scutellaris) resultado de uma muda, para verificar o nível de desenvolvimento alcançado, e aproveitei a ocasião para colher uma amostra do mel produzido a partir da florada do momento, o Gurdião (Cayaponia tayuya).
Essa florada iniciou-se em 25/05/2009 e ainda persiste.
Tenho documentado o espetacular florescimento dessa planta e o intenso forragear das abelhas, que especialmente neste ano, devido as generosas chuvas sobre a região nordeste, tem proporcionado uma condição climática muito favorável a essa planta e por conseguinte às abelhas.
A direita tem-se a imagem de alguns dos favos do mel coletado. Constatei tratar-se de um mel de cor âmbar claro, translúcido, com cheiro e sabor característico da flôr do Gurdião, que segundo pesquisas científicas é uma planta de grande valor medicinal.
Diante desses fatores positivos, resta-me esperar por uma grande safra de mel dessa florada neste ano.
Temos abaixo duas imagens com detalhes da inflorescencia com a presensa de botões e flores, também uma imagem de extensa área coberta pela ramagem do Gurdião em meio a vegetação de caatinga no Município de Bento Fernandes-RN, uma amostra da magnitude da floração neste ano, dessa importante planta meliponícola.


sexta-feira, 10 de julho de 2009

É bonito ver essa festa

É sim, vê que as abelhas tem o que coletar é bonito. Tristeza seria vê-las desempregadas ha ha ha ...
Se conservar-mos as matas e a sustentabilidade das terras cultivadas, estaremos permitindo a existência de muitas espécies de abelhas e plantas que interdependem para existirem e pelos quais seremos afetados se a perdermos.


video

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Logo cedo

Jandaira saindo da flôr da Maniçoba, observem que o botão é fechado, permanecendo assim até o momento da abertura que ocorre por volta das 5:00h da manhã, liberando o acesso a todo o néctar acumulado, uma quantidade considerável que chega a ocupar três abelhas na mesma flôr, as flores que vingarem permaneceram liberando por mais uns dias, as não fecundadas caem no mesmo dia.

Logo Cedo

Jandaira na flôr da Maniçoba coletando néntar

Posted by Picasa

Como começa um sonho?

Quantos sonhos já tivemos? E quantos mais teremos? Realizar alguns poucos já nos tornariam pessoas plenamente realizadas, e essa energia nos levariam a conquistar muitos outros desafios, tamanho o prazer proporcionado pelas realizações pessoais.
Quando conheci a pequena Pebleia sp, uma das menores abelhas indígenas, fiquei intrigado pelo misterioso mundo dos insetos sociais, e particularmente pelo incrível trabalho executado por estes maravilhosos insetos.
O desejo de conhecê-las melhor, proteger e ajuda-las, me levou a criar em ambiente urbano, já aos 12 anos de idade, alguns enxames retirados de muros, inclusive de minha própria casa e outro alojado em um tronco de Sipauba, situado em uma mata próxima a minha residência, e foi este o meu primeiro enxame, o qual mantive por mais de trinta anos, pois o transferi para uma caixa racional, e a mata, a mata não durou 10 anos, e a área onde estava transformou-se em conjunto residencial.
Saber que meu bisavô materno criou muitos enxames da abelha Jandaira, que à época eram mantidos sob os alpendres das Casas Grande, costume do homem sertanejo, aguçaram meu desejo de possuir enxames dessa abelha, e não tardou juntei minhas economias e adquiri cinco enxames de abelhas Jandairas, realização de um sonho de criança e inicio de um sonho de adulto.
Hoje não tenho a disponibilidade de tempo daquela época, mas continua o sonho de poder dedicar mais tempo ao estudo, melhor dizendo, ao prazer de estar com elas, e conhece-las melhor, falo das Jandairas, Rajadas, Cupiras, Uruçus, Marmeladas, Canudos, Mirins e Remelas.
Sempre morei em Natal, mas isso não me impediu de adquirir uma terra e transformá-la por conta própria em área de preservação, sem que isso me desse um retorno financeiro, mas por outro lado me deu uma imensa satisfação que não tem preço.